segunda-feira, 9 de março de 2009

Zelda - Era Pós Majora's Mask

Como pedido do Thiago, vou falar um pouco sobre o que aconteceu com os jogos The Legend of Zelda após o lançamento do Majora's Mask.


Um ano após o lançamento de Mujora's Mask, temos a série Oracle of Seasons e Oracle of Ages para Gameboy Color em 2001, antes do lançamento do Gameboy Advance. Apesar de serem dois jogos, eles contam com histórias parecidas. Em Oracle of Seasons a Triforce tele transporta para Holodrum, onde ele testemunha o sequestro (note sem tremas!) de Din, o Oráculo das Estações, por Onox. Já em Oracle of Ages ele é transportado para Labrynna onde testemunha o sequestro de Nayru, Oráculo do Tempo por Veran. Como já podemos notar, os jogos se assemelham muito ao Pokémon, já que este sempre foi lançado em versões em conjunto. Para ver o final do jogo, é necessário jogar os dois pois no final você pode ou transferir os dados através o cabo link ou por meio de passwords. Só então você conseguiria o password para a última dungeon (labirinto) para enfrentar o chefe final, nao vou revelar nomes para não estragar quem pretende jogar e assim ver o final verdadeiro.


Cena de Oracle of Seasons


Cenas de Oracle of Ages

Adiante temos Wind Waker para GameCube. Foi um jogo que surpreendeu um pouco as pessoas por usar gráficos em Cell Shading, desenho animado para quem desconhece o assunto. Este jogo seria uma sequência direta de Ocarina of Time - Mujora's Mask foi apenas uma história paralela - pois a história se passa em Hyrule, você encontra itens como a própria Ocarina e novamente tem de enfrentar Ganondorf. Desta vez o grande chamativo do jogo, além dos gráficos, foi a parte de navegação entre ilhas, algo que você irá fazer por muito e muito tempo durante o jogo todo. A história acontece 100 anos depois de Ocarina of Time, Link vive com sua avó e sua irmã mais nova Aryll, Ganondorf rouba a Triforce, chamada de Golden Power pela lenda, e começa espalhar o mal pelas ilhas.


Cenas de Wind Waker


Em 2003 aparece o remake the A Link to the Past, conhecido como Zelda para o Super NES, para o Gameboy Advance (GBA). Além do remake, o jogo inclui outro jogo: Four Swords. Este foi o primeiro jogo da série Legend of Zelda que tinha a opção multiplayer. Em Four Sword, Zelda é sequestrada por Vaati, mas como Link não conseguiria derrotá-lo sozinho, ele encontra uma espada, The Four Sword, que transformaria ele em quatro clones (verde, vermelho, roxo e azul). Este jogo não tinha versão single-player, e para jogar você precisava de outra pessoa que também tinha o jogo, neste caso eu consegui jogar com o Rodrigo o jogo, agradeço já sua cooperação. O jogo utiliza uma engine que muda os labirintos toda vez que você jogar, fazendo com que o jogo não torne-se repetitivo. Além do jogo ser exclusivo multiplayer, era necessária a cooperação dos outros jogadores para terminar, desde passar por um buraco utilizado imãs, novo item na série, até matar os chefes. Durante o jogo todo, os jogadores competem entre si para ver quem consegue mais rupees (moeda do jogo) e no final do labirinto quem conseguisse mais rupees ganhava uma medalha, após conseguir 10 medalhas, você destrancava uma nova quest no LInk to the Past.


Acima cenas do remake de A Link to the Past e abaixo o Four Swords



Entre 2004 e 2005 saiu a continuação para GameCube: The Four Swords Adventures. Neste já há o modo single-player e multiplayer com ajuda do GBA mais o cabo link para ligar este com o Gamecube, transformando o GBA em um controle par ao jogo. A história já muda um pouco para parecer uma continuação ao Four Swords. Vaati está enfraquecendo o selo que o prende a tantos anos, Zelda chama LInk para protegê-la e que suas ajudantes abra os portões do Santuário das Quatro Espadas, quando elas abrem, Shadow Link aparece e captura suas ajudantes e as prende em cristais. Link consegue pegar a espada e se transforma em quatro clones enquanto Vaati se libera do selo que o prendia. Neste jogo é necessário a cooperação dos quatro Links, ao contrário do original que podia ter apenas 2 Links, mesmo que você esteja jogando o modo singleplayer.

Cenas de Four Swords Adventure

Ainda no mesmo ano, é lançado The Minish Cap para GBA sendo o terceiro jogo da saga Four Swords. A história do jogo conta eventos antes de Vaati e das Four Swords. Vaati petrifica Zelda e o rei de Hyrule pede ajuda a Link, pois ele era o único capaz de ver o povo Minish, ou Picori que são uma raça de pequenos gnomos. no caminho ele encontra Ezlo, uma criatura que parece um capuz verde com uma cabeça de pássaro que tem o poder de fazer Link diminuir até a altura do povo Minish. Este jogo foi considerado pela Gamespot, Gamespy e pela própria Nintendo Power o melhor jogo para GBA de 2005. é um jogo muito bom, com algumas inovações como algumas peças de medalhões para conseguir itens especiais, novos gráficos e movimentos.


Cenas de Minish Cap

Estamos já em 2006, um dos mais esperados lançamentos para o Gamecube e Wii (este é uma adaptação) era Twilight Princess. Foi o último jogo lançado da Nintendo para Gamecube e o primeiro Legend of Zelda que acompanhou o lançamento de um console, o Wii. O jogo conta a luta de Link contra a corrupção de um universo paralelo que está tentando dominar Hyrule, para isso ele conta com o poder de se transforma entre sua forma original e um lobo e da aliada Midna, uma criatura vinda do universo paralelo chamado de Twilight, juntos eles devem proteger ambos os universos. Este é considerado o melhor jogo da série Legend of Zelda por muitas revistas e sites, além de ganhar inúmeros títulos de Jogo do Ano. Como o jogo foi lançado para Gamecube e Wii, cada um tem sua jogabilidade diferenciada, sendo que a versão para Wii com seu Wiimote tem grands vantagens em algumas partes que requerem a precisão do jogador, como o arco-e-flecha, já a versão para Gamecube tem vantagem na jogabilidade global por causa de seu controle, este pode ser utilizado no Wii também.


Cenas de Twilight Princess

Em 2007 tem o primeiro jogo da série produzido para o Nintendo DS: Phantom Hourglass. A história ocorre em um mundo paralelo ao de Wind Waker, Link deve salvar Tetra do vilão Bellum. Com a ajuda do capitão Lineback e de seu barco, S.S. Lineback, Link sai em busca da Phantom Hourglass para achar o espírito da coragem, sabedoria e poder (estes são os "triângulos" da Triforce para quem desconhece) para derrotar Bellum. O jogo segue o mesmo padrão de Wind Waker, inclusive utiliza o mesmo tipo de gráfico em Cell Shading. Phantom Hourglass foi muito elogiado pelo excelente sistema de controle, enquanto sua parte multiplayer foi muito críticada por ser muit simples. Mesmo para o Nintendo Ds, o jogo conta com excelentes gráficos em 3D e fazendo uso extremo da tela de baixo, com touch-screen, para se movimentar, atacar, utilizar itens, entre outras ações. Sua porção multiplayer é algo parecido com Pacman, um jogador controla Link enquanto os outros controlam cavaleiros negros que devem capturar Link antes que ele consiga pegar pedaços da Triforce e colocá-las em um campo mágico. Enquanto Link é controlado normalmente pela Stylus, os 3 cavaleiros devem seguir caminhos pré-definidos pelo(s) outro(s) jogador(es).


Cenas de Phantom Hourglass

Bom, isso é tudo o que existe de Legend of Zelda após Mujora's Mask. Eu tentei não detalhar muito as histórias porque algumas são muito complexas, como a de Twilight Princess por exemplo. Espero que todos tenham gostado deste resumo da série Zelda e um abraço para o Thiago que deu a idéia do post.






7 comentários: