sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

"Join me and together we will rule the galaxy as father and son!"

Não se deixe levar pelo título do post, este aqui ainda não é um post sobre Star Wars. Pretendo falar um pouco sobre Linux, suas vantagens e desvantagens e também fazer algumas comparações com o Windows.

Filosofia

A primeira grande diferença entre os universos Linux e Windows está em sua filosofia. O Windows é um produto fechado comercializado pela Microsoft, ou seja, o Windows é desenvolvido com o propósito de poder ser vendido ao maior número de pessoas. Assim, na tentativa de agradar a maioria, o Windows acaba tendo muitos recursos que jamais serão utilizados por certas classes de usuários.
Por outro lado, o Linux é desenvolvido por uma comunidade de usuários para a própria comunidade, isto proporciona um sistema operacional muito mais engajado. Como o Linux não é um produto fechado e pode ser modificado e redistribuído gratuitamente - graças a licença GPL - muitos usuários com capacidade de desenvolvimento, desenvolveram seus próprios Linux ou modificaram outros já existentes e além de distribuírem, permitem que outros usuários se juntem ao desenvolvimento. Assim, além do desenvolvimento mais ágil e do aumento da qualidade do software (mais pessoas desenvolvendo, testando e revisando) temos uma infinidade de classes de Linux, uma para cada tipo de usuário - eu diria que um tipo de usuários é definidos por um grupo de necessidades diferentes, isto é, usuários com necessidades parecidas são de um mesmo tipo e usuários com necessidades diferentes formariam um outro tipo.
A falta de controle do usuário sobre o Windows pode ser vista como uma vantagem. É a transparência do SO, isto é, você pode realizar as suas tarefas mesmo sabendo muito pouco sobre SO, isso aumenta bastante a produtividade do trabalho. Entretanto, o que as pessoas desconhecem, é que o Linux não precisa ser apenas para quem entende de programação e sistemas operacionais. Este realmente foi o enfoque no início pois haviam poucos usuários Linux, mas há tempos, muitos desenvolvedores começaram a adotar este novo paradigma, que é ter um SO que seja fácil de instalar e permita executar terefas com pouco ou nenhum conhecimento sobre o que está acontecendo com o SO. E ainda há a vantagem de que no Linux, não perdemos o controle sobre o SO, e, com o tempo, o usuário pode aprimorar seus conhecimentos.

Distro

Cada SO que utiliza o Kernel Linux é chamado de distribuição Linux, para os íntimos apenas distro. Existem muitas distribuições para todo o tipo de usuários. Desde os usuários que querem ir fundo no conceito de sistema operacional até aquele que querem apenas navegar na internet, ouvir música, fazer trabalhos escolares e etc.[1]

O Linux e o Kernel

"Linux" é na verdade o nome do Kernel[1]. O Kernel é uma parte do sistema operacional(SO) que faz a comunicação do SO com o hardware, ou seja, sem um Kernel adequado o seu hardware é inútil. A primeira diferença entre o Windows e o Linux, é o controle sobre o Kernel. No Windows, para garantir compatibilidade com a maioria dos computadores do mundo, o Kernel é grande e genérico, o que torna o boot do sistema (quando você liga o computador) um pouco mais lento. No Linux, você pode recompilar o Kernel para que ele possua apenas os drivers dos seus dispositivos em específico.

Dual boot

Você não precisa escolher entre Linux ou Windows. Existe uma técnica chamada dual boot, na qual você coloca os dois sistemas operacionais em sua máquina e na hora em que a liga escolhe qual vai utilizar. Não é necessário nem mesmo desinstalar o Windows para fazer isso.[3]
Infelizmente, a recíproca não é verdadeira. Se você tem Linux e instala o Windows ele remove o programa de dual boot e torna o Windows o único sistema operacional "bootável" da máquina.

Linux é dirigido pela comunidade e não pelo mercado


Softwares proprietários estão sujeito às empresas que os desenvolvem. Se a empresa fecha, é fechada, resolve mudar a estratégia ou passa ou um momento de crise, o software produzido é afetado.
O Linux é afetado somente pelos seus usuários. E as mudanças ocorrem a partir das necessidades da comunidade.
Aliás, foi por este motivo, que o governo resolveu criar o conceito de software público, que deriva co conceito de software livre[4]. Assim, os órgãos do governo podem desenvolver soluções de forma colaborativa.

Escolhendo a sua distro

A parte mais difícil de se começar a usar o Linux é escolher a usa distro. Eu uso Linux desde 2005 e todo ano eu testo uma distro diferente. Minha distro depende muito do meu humor. Tem períodos em que eu quero brincar com um SO um pouco mais complicado, outros, eu quero apenas instalar e esquecer. Se você ainda vai estrear no mundo Linux, eu recomendo as distros com esta filosofia de serem bem mais simples de configurar. Eu recomendaria o Ubuntu (ou qualquer uma de suas variantes, Kubuntu ou Xubuntu) como primeira distro devido ao tamanho da comunidade de usuários no Brasil. Outra comunidade muito grande é a do Debian. Atualmente eu estou usando, e recomendo, o Fedora. É fácil de instalar e manter atualizado, parecido com o Ubuntu, mas não possui uma comunidade de usuários muito grande no Brasil.

Eu e o Linux


Normalmente eu uso dual boot, mas como agora eu tenho um desktop e um laptop, eu uso o Windows Vista no meu desktop e Linux no meu laptop. A razão disso é simples: O Windows me fornece uma plataforma de jogo muito eficiente (sim, eu uso o Windows só pra jogo mesmo). Não que o Linux não rode os jogos para Windows, ele roda uma boa parcela, mas ainda é mais fácil roda-los no próprio Windows.
O Linux eu uso principalmente para trabalhos e para programar. Tento usar apenas ferramentas gratuitas, livres e de código aberto. Navegar na internet, assistir vídeos ou ouvir música, faço no Linux tão fácil quanto faria no Windows - este post foi escrito totalmente enquanto eu estava no Linux.

Conclusões


Existem muitas razões para que você dê uma chance ao Linux, muitas delas nem mesmo foram abordadas, como maior segurança, eficiência e confiabilidade - a maioria dos servidores no mundo utilizam algum tipo de Linux.
Linux não é mais um bicho de sete cabeças, usado apenas pelos nerds no MIT. O Linux se tornou - e se aprimora cada vez mais - um verdadeiro sistema operacional doméstico.
Existem muitos materiais - e muito mais completos - sobre Linux e suas distribuições pela internet, basta utilizar o google. A idéia deste post foi simplesmente introdutória.
Caso você queira apenas experimentar sem compromisso, também pode, através dos LiveCD's, que são SOs que rodam sem precisar de instalação. Ou você pode instalar o Linux em uma máquina virtual instalada no Windows, neste caso, eu recomendaria o VirtualBox (acredito que este possa ser um assunto para outro post).
Já me estendi demais e fico por aqui. O espírito deste post é introduzir o universo Linux e não comentar aspectos de cada distribuição ou ensinar a instalar alguma coisa - talvez para um post futuro, mas por enquanto acredito que deixei links o suficiente para que, quem queira, possa tomar iniciativa. Espero que tenham apreciado o texto, qualquer dúvida, ou erro, que possa(m) ter ocorrido, por favor, não hesitem em deixar um comentário.

Rodrigo "Petrus"


Notas

[1] Existe um site que mostra informações sobre muitas das distros existentes: http://distrowatch.com/.
[2] O Linux foi e ainda é desenvolvido por Linus Torvalds. O código-fonte da versão mais recente pode ser sempre encontrado em http://www.kernel.org/.
[3] Existem muitos tutoriais na internet sobre dual boot para as mais diferentes distribuições.
[4] O conceito de software livre foi criado pela Free Software Foundation, que é o que fez do Linux o que ele é hoje.




4 comentários: